Complexo de Patos registra queda de 18% nos atendimentos no final de semana



Entre as 18h da última sexta-feira (26) e a meia noite do domingo (28), o plantão da Emergência e Urgência do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) registrou o atendimento de 111 pessoas e a realização de 20 cirurgias. O plantão de maior movimento foi o de sábado, quando 50 pessoas foram atendidas. No dia 28, foram mais 43 pacientes e no dia 26, outras 18 pessoas. Fazendo o comparativo com o final de semana anterior se constatou uma queda de 18% nos atendimentos e de 22% nos acidentados como motos e ainda um aumento de 54% nas cirurgias de emergência, com um total de 20 procedimentos.

O diretor geral do Complexo, Francisco Guedes, entende que a redução da procura pelos serviços da unidade e do número de acidentados se deve, principalmente, em função da diminuição de circulação de pessoas por cauda dos decretos municipal e estadual. “As medidas restritivas do Governo Estadual e dos municípios por causa da pandemia, sem dúvida, contribuiu diretamente na redução dos atendimentos já que as pessoas estão mais em casa, assim como pela maior conscientização da sociedade que cada um deve fazer a sua parte na atual conjuntura”, disse ele.

O relatório de gestão da unidade mostra ainda que entre às 18h do dia 26 até a meia noite deste domingo, 21 pessoas deram entrada na unidade por causa de acidentes de trânsito, sendo a grande maioria delas – 18 pessoas – decorrentes de acidentes com motos, dois com bicicleta, e uma pessoa com acidente de automóvel. Dos 21 acidentados, a maior parte deles foi da cidade de Patos, com nove pessoas no total. Cinco pacientes vítimas de acidentes, sendo quatro de motos e um de bicicleta,   precisaram ficar internados para cuidados posteriores.

Na emergência, além dos casos envolvendo os acidentados com motos, os demais principais motivos dos atendimentos da unidade neste último final de semana foram de pacientes com sintomas de síndrome gripal, dor abdominal, queda da própria altura, hipertensão, dor no peito, na coluna e na perna, dificuldade de respirar, administração de medicação, dor pélvica e na mão e troca de SNE/SVD, entre outros sintomas.

Das 20 cirurgias realizadas, o maior número de procedimentos foi na área de Oncologia, com oito cirurgias, seguido de Vascular, com seis atendimentos e mais três procedimentos de Cirurgia Geral e outros três de Ortopedia.

Assessoria