• Dra Milena
ColunistasRoberta Trindade

Com o tema, “O Brasil é o país que sofre maior impacto da pandemia”, a professora Roberta Trindade abre sua coluna no Patosonline.com. Veja

Algumas ações foram realizadas pelo governo para inibir o desemprego e o fracasso dos negócios, porém, ainda insipientes para o tamanho do problema instalado

ÓTICAS GUIMARÃES

A consultora empresarial, e gestora do núcleo de Responsabilidade Social do Unifip, professora Roberta Trindade, passa a integrar a equipe do Patosonline.com como colunista de economia.

Toda a nossa equipe dar boas-vindas a professora Roberta, que toda segunda-feira, presenteará nosso público com temas relacionados a economia.

E na abertura, o tema escolhido foi o impacto da pandemia na economia do nosso país.

Confira abaixo:

O Brasil é o país que sofre maior impacto da pandemia

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA em pesquisa que avaliou o impacto da covid-19 nos países em relação ao número de mortes e a taxa de desemprego, o Brasil teve o pior desempenho.

A pandemia da covid-19 representa para a economia uma externalidade, visto que, aconteceu um problema de saúde pública, que influenciou drasticamente a economia em todo o mundo.

No Brasil a situação se agravou em virtude do descompasso e ineficiência das políticas, inicialmente para gerenciar a crise de saúde, bem como, as consequentes dificuldades econômicas, culminando em sucessivas instabilidades e crises: sanitária, econômica e política (essa talvez a mais forte).

Em relação à economia, é perceptível que os países que adotaram a postura de não realizar políticas mais efetivas de combate a pandemia em função de proteger os negócios e os empregos, acabaram não logrando êxito, principalmente por não conseguir resolver os problemas de saúde e agravar a crise econômica, que no nosso caso, foi mais modesta em 2020, mas vem se intensificando com mais força em 2021.

As principais consequências da crise econômica são visíveis na redução da renda das famílias que afeta o consumo, desemprego crescente, inflação e pouco estimulo investimentos empresariais e até pessoais.

O desemprego no primeiro trimestre de 2021 chega a atingir 14.8 milhões de brasileiros (IBGE), somando num conjunto falta de trabalho para 33,2 milhões de pessoas sem trabalho.

Vivemos a pior situação para economia: estagnação, ausência de crescimento, desemprego, com inflação, aumento generalizado e constante nos preços, dessa vez provocada pelo descompasso entre oferta e demanda.

Algumas ações foram realizadas pelo governo para inibir o desemprego e o fracasso dos negócios, porém, ainda insipientes para o tamanho do problema instalado.

Com essa situação, a economia brasileira, deve demorar a se reestabeler e voltar a crescer.


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo