ColunistasRodrigo Cézar Limeira

Chuvas em Patos ficaram 76,5% acima da média em janeiro de 2024, confirmando previsão de Dr. Rodrigo Cézar

Outras localidades como Pombal, Sousa e Cajazeiras também registraram chuvas acima da média em janeiro, confirmando a previsão realizada pelo estudioso.

ÓTICAS GUIMARÃES

O município de Patos, localizado no Sertão da Paraíba, registrou 120 mm de chuva no corrente mês de janeiro, de acordo com dados oficiais da Empaer, divulgados pelo técnico Marconi Palmeira. A média pluviométrica no mês de janeiro em Patos é de 68 mm no posto pluviométrico da Empaer, isso representa chuva 76,5% acima da média em janeiro, fato que confirmou a previsão realizada em 06 de outubro de 2023 pelo físico, meteorologista, mestre em Meteorologia e doutor em Física, Rodrigo Cézar Limeira, de que o município teria chuvas acima da média em janeiro de 2024.

O principal sistema meteorológico precipitante que atuou em Patos e região em janeiro, foi o vórtice ciclônico de ar superior, esse sistema é o principal gerador de chuvas na região no final do ano e no mês de janeiro, e geralmente provoca precipitação irregular, assim como ocorreu em janeiro de 2024.

Outras localidades como Pombal, Sousa e Cajazeiras também registraram chuvas acima da média em janeiro, confirmando a previsão realizada pelo estudioso.

El Niño perde força no final de janeiro

O fenômeno climático e oceânico El Niño está perdendo força, no entanto, continuará a influenciar as condições do tempo e do clima no Nordeste nos próximos meses, isso porque mesmo que o fenômeno dissipe em março por exemplo, até pelo menos maio, ainda estará influenciando no padrão de distribuição dos ventos em altitude sobre o semiárido do Nordeste, tal fato ocorre porque a atmosfera não é automática, ou seja, leva um certo tempo para responder as novas condições oceânicas. Dessa forma, a estação chuvosa do semiárido do setor norte do Nordeste em 2024 poderá ter considerável má distribuição espacial e temporal das chuvas, algo que em vários locais da região, poderá provocar quebra na safra de milho.

Portal Ciência em Foco


Mostrar mais
 
Botão Voltar ao topo