Chapão da Verdade protocola manifesto nos gabinetes dos Deputados estaduais: Nabor Wanderley e Dr Érico



O grupo político Chapão da Verdade (PRTB), esteve em JP, resolvendo assuntos administrativos do grupo. Na oportunidade, foi na Assembléia legislativa do estado, onde visitou e protocolou nos gabinetes dos deputados estaduais, Dr Érico e Nabor Wanderley (estava ausente), manifesto em apoio ao município de Patos, veja

Manifesto

O Grupo Político intitulado Chapão Da Verdade, vem por meio desse manifesto, externar sua preocupação em relação a situação política e por consequência também econômica do Município de Patos.

Fundado no Vale das Espinharas, e circundada pelo Planalto da Borborema, sua localização estratégica fez com que Patos se tornasse o terceiro maior mercado consumidor do Estado da Paraíba, com um potencial de consumo de mais de UM BILHÃO E MEIO DE REAIS. Isso fez com que se atraísse muitos investimentos privados, aumentando dessa forma, a geração de emprego e renda na região do Médio Sertão.

Contudo, desde de o afastamento do então Prefeito Dinaldo Medeiros Wanderley Filho, Patos vem sofrendo uma instabilidade administrativa, trazendo de maneira direta e indireta prejuízo a população como um todo.

Se considerarmos que a Região Metropolitana de Patos concentra uma população de cerca de 236. 621 habitantes, segundo dados do IBGE/2018, sendo de fácil percepção que tudo que acontece nesse referido Município gera impacto em uma quantidade muito grande de pessoas.

Em face disso, o Grupo Político Chapão da Verdade, ao mesmo tempo em que se compromete em unir forças, pede que lideranças políticas, Vereadores, Deputados e o próprio prefeito interino, Sr. Sales Júnior, se “deem as mãos”, em prol de um bem maior. E se não houver esse comprometimento, por parte daqueles que governam os destinos da população, certamente, será muito difícil retirar Patos desse caos administrativo. E a partir daí todo e qualquer problema advindo desse tal caos administrativo, será de inteira responsabilidade daquele que por vaidade ou interesses particulares não se unirem em prol de um bem maior.

 

Gustavo Ramos

(Presidente)