Gerais

Cardiologista alerta: dormir menos de seis horas por noite afeta saúde do coração

Privação do sono eleva risco para hipertensão, diabetes e obesidade

ÓTICAS GUIMARÃES

Dormir bem é fundamental para a saúde. O sono reparador proporciona descanso da atividade cerebral, fortalece o sistema imunológico e ajuda a prevenir doenças. Quem dorme mal pode enfrentar muitos problemas de saúde, inclusive os que envolvem o sistema cardiovascular.

O cardiologista e pesquisador Valério Vasconcelos afirma que a privação do sono aumenta o risco para o surgimento de doenças, como hipertensão arterial, diabetes e obesidade, o que aumenta o risco de infartos e acidentes vasculares cerebrais (AVCs). Além disso, estudos mostram que dormir menos de seis horas por dia ou acordar com frequência afeta o sistema cardiovascular.

“Quando dormimos ocorre um período de repouso do nosso sistema cardiovascular, em que tanto a frequência cardíaca, quanto a pressão arterial são reduzidas. Esse processo é muito importante para a saúde do coração”, comenta o especialista.

“Indivíduos que dormem menos de seis horas por noite apresentam risco 27% maior de desenvolver aterosclerose, condição caracterizada pelo acúmulo de placa de gorduras e outras substâncias nocivas nas artérias, de acordo com um estudo publicado no Journal of American College of Cardiology”, afirma Valério Vasconcelos. O cardiologista acrescenta que resultados semelhantes foram encontrados para quem sofre de má qualidade do sono, como acordar frequentemente durante a noite. “Estes apresentam um risco 34% maior”, diz.

Dormir pouco é ruim. E dormir em excesso? Também. “Outra evidência é que também existe maior probabilidade de aterosclerose para pessoas, especialmente mulheres, que dormem mais de oito horas por noite”, informa Valério Vasconcelos.

Conheça algumas práticas para dormir bem à noite 

  • Adotar horários regulares de sono;
  • Evitar dormir muito durante o dia;
  • Fazer atividade física pela manhã ou à tarde;
  • Evitar bebidas com cafeína à noite;
  • Comer alimentos leves no jantar;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Diminuir a exposição à luz durante a noite.

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Angélica Lúcio – Jornalista | 16/01/2023


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo