Câmara Municipal de Patos realiza Audiência Pública e discute crise na Segurança Pública



A Câmara Municipal de Patos, Casa Juvenal Lúcio de Sousa, realizou na noite de sexta-feira, dia 31 de março, uma Audiência Pública com o tema “A crise na Segurança Pública”. O debate foi uma solicitação do vereador Kleber Ramon, o Ramon Pantera (PTN), que iniciou com a apresentação da Filarmônica Municipal 26 de Julho.

O evento foi prestigiado pelos vereadores Toinho Nascimento (PSDB), Capitão Edson Hugo (PTN), Fátima Bocão (PMDB), Edjane Araújo (PRTB), Lucinha Peixoto (PCdoB), Diogo Medeiros (PSB), Tide Eduardo (PMDB), Ferré Maxixe (DEM), Jefferson Melquíades (PRB), Suélio Caetano (PTN) e o presidente da Casa, Sales Júnior (PRB), além de representantes dos órgãos de Segurança Pública da cidade de Patos, Campina Grande e outros municípios da Paraíba, entre associações e sindicatos.

O vereador Kleber Ramon explicou que o objetivo da audiência é falar sobre a crise na segurança pública, as dificuldades que o policial militar, civil e bombeiros passam no exercício do trabalho, não somente relacionadas à remuneração, mas, condições inadequadas de trabalho. Ele pontuou que o colete balístico é vencido e a pouca quantidade de combustível nas viaturas. “Estamos aqui pra reivindicar as melhorias para a polícia militar, polícia civil e corpo de bombeiros, na segurança no modo total porque a partir do momento em que a PM sai de sua casa sem saber se vai voltar, como citei na tribuna, ele também não sabe se vai encontrar sua família viva como aconteceu em São Paulo”, exemplificou.

O parlamentar mirim ainda reforçou que a Audiência Pública tem o objetivo de pedir que o governado da Paraíba cumpra o que prometeu: paridade salarial e risco de vida.

O Coronel Francisco de Assis, do Clube de Oficiais, fez uma avaliação do evento, tendo em vista a preocupação do parlamento mirim com a segurança pública no estado da Paraíba.

“É extremamente positiva pela presença maciça que eu tenho notado dos senhores vereadores, isso demonstra que a Casa também tem preocupação com a segurança pública e para nós que fazemos a tropa, aquele que vai à rua executar o serviço”, avaliou.

Ele ainda afirmou que uma assembleia foi realizada em Campina Grande e outros municípios do estado estão sendo visitados com o objetivo de levar à sociedade paraibana a real situação da Polícia Militar e da Segurança Pública. Coronel Francisco de Assis disse que a mídia feita pelo governo em cima da segurança não condiz com a realidade.

Já o delegado da Polícia Civil, Rônis Feitosa, que é coordenador administrativo da Delegacia Secional de Patos e esteve representando o delegado seccional, George Wellington, explicou que a polícia civil não poderia se furtar em participar do evento.

“A polícia não poderia se furtar em comparecer a essa importante Audiência Pública no qual há um diálogo na Casa do povo com toda a sociedade e autoridades do Sistema de Segurança Pública e com a classe política para, enfim, obter melhorias no nosso Sistema de Segurança Pública haja vista que a segurança reflete em toda a sociedade, em todas as outras áreas de atuação humana”, afirmou.

Na oportunidade, Rônis Feitosa agradeceu o empenho e a integração do trabalho dos policiais civis, Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal, com o Sistema Penitenciário na execução do trabalho no combate ao crime.

A vereadora, Edjane Araújo, demonstrou preocupação com os agentes e detentos do Presídio Regional Romero Nóbrega, localizado em Patos, tendo em vista a precariedade das celas, a qualidade dos locais onde essas pessoas dormem na unidade prisional. “É complicado tanto para os presos que tem a dignidade humana que precisa ser garantida, como também para os agentes que estão lá prestando um serviço à sociedade e que necessariamente tem que ter segurança pública sim para garantir a dignidade desses profissionais que diariamente saem de suas residências para prestar um serviço de qualidade a toda a população”, pontuou.

O prefeito de Patos, Dinaldinho Wanderley (PSDB), também compareceu ao evento e usou a tribuna da Casa Legislativa para apresentar informações referentes à cidade de Patos no segmento da segurança Pública. Ele pontuou o local onde funciona a Delegacia de Homicídios que fica em uma rua “ilhada”, o prédio da Delegacia de Polícia Civil não funcionar em sede própria, bem como o local de estacionamento para as viaturas, a localização do 4° batalhão do Corpo de Bombeiros em uma rua de grande movimentação e a qualidade do armamento da polícia militar.

“Acho importante e acredito que as Câmaras mirins têm que participar desse debate que tem que está presente em todas as cidades, os prefeitos não podem se furtarem, os vereadores não podem se furtarem a esse tema tão importante que é Segurança Pública e, em Patos principalmente onde temos muitas dificuldades para o trabalho, afirmou.

Uma comissão será criada e irá provocar em outras cidades de pequeno porte o debate da segurança pública que levará as reivindicações do Policial Militar, principalmente, daquele que está na inativa.

 

Ascom CMP