Bate boca e acusações marcam sessão na Câmara de Patos



A Sessão realizada nesta terça-feira (19.05) lotou o Auditório da Casa Juvenal Lúcio de Sousa e o assunto em pauta não poderia ser outro: A greve dos funcionários lotados na Secretaria de Educação do Município.

Como os servidores queriam o apoio dos vereadores nesta batalha em que pediam a redução da Carga Horária corrida de 08 (oito) para 06 (seis) horas, não restou alternativa, senão, lotar o Auditório da Casa Juvenal Lúcio de Sousa.

Um motivo à parte para alguns vereadores vangloriasse e entoasse os discursos em prol de todos os servidores que ali se encontravam à procura de um apoio, e posteriormente uma solução para o problema.

O Presidente da Casa vereador Marcos Eduardo (PMDB) foi enfático no discurso e disse que permanecerá sempre ao lado dos servidores prestando-lhes toda contribuição necessária à resolução do problema.

Uma boa notícia para os patoenses foi a que deu o vereador Ranieri Ramalho (PMDB) de que muito em breve estará voltando a Cidade, o programa “Chegou o Doutor”, através de um requerimento seu, enviado ao Governo do estado.

O programa funciona através de uma Unidade Móvel e atende a população com diversos serviços médicos hospitalares, principalmente na área odontológica. Para Ramalho uma boa alternativa também seria a implantação de um Gabinete Odontológico para atender a população Carcerária de patos.

Ranieri também lembrou Projeto de Lei de sua autoria em que cria uma Urna denominada “Urna do Povo” para viabilizar a população um meio de opinar sobre os trabalhos realizados nos 02 (dois) Poderes e que sejam posteriormente analisados e apreciados pelas Comissões.

Na seqüência dos discursos mais acirrados Almir Mineral (PSDB) inicialmente não poupou o verbo e disparou denunciando que na venda dos Camarotes para o São João de Patos, estaria havendo boicotagem e se sentiu solidário com a radialista Sandra Sibely, que foi automaticamente deixada de fora da aquisição. Almir ainda denunciou que foi procurado por uma pessoa a qual ele não a identificou, que lhe ofereceu um Camarote no valor de R$ 4.000,00 (quatro mil reais).

Por outro lado à discórdia do vereador José Motta Victor (PMDB) quando o vereador Ivanes Lacerda (PSDB) taxou o Prefeito de Patos de “traidor de servidores”, se referindo a assinatura do Decreto que alterou a jornada de trabalho dos servidores justamente após as eleições.

Segundo Motta, na opinião dele, “prefeito traidor é aquele que não recolheu, não transferiu para o Patos Prev, oito milhões de reais que retirou indevidamente dos servidores… Ele sabe quem é o prefeito traidor na Cidade de Patos e eu não posso aceitar isso”. Há quem diga que a menção feita na entrevista pelo vereador José Motta foi direcionada ao ex-prefeito Dinaldo Wanderley o qual pertence ao mesmo partido de Ivanes.

Para Ivanes Lacerda houve uma má interpretação entre os vereadores José Motta e Sales Júnior em relação à palavra pejorativa ao prefeito Nabor atribuído por ele. Ele disse que a intenção foi lembrar da traição do Prefeito a seus servidores, em que ele só editou o Decreto após as eleições e não a imagem da pessoa do Prefeito.

Todos os vereadores foram unânimes em afirmar que não passa de hoje (20) a oficialização do retorno das 06 (seis) horas corridas de trabalho para os servidores por que acreditarem na postura do Prefeito Nabor Wanderley.

Por fim lembrar que antes de terminar a sessão desta terça, a vereadora Maria José dos Santos Venâncio "Peteca" (PRP), pediu desculpas e se retirou do Plenário da casa por problemasa de saúde.

Texto de Mário Frade