Bancada do PMDB da Assembleia Legislativa diverge quanto à inocência de Temer



A bancada do PMDB na Assembleia Legislativa do Estado diverge quanto à inocência do presidente da República, Michel Temer, acusado de corrupção passiva em denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República, cuja admissibilidade do processo está sendo analisado em sessão na Câmara Federal.

O deputado Jullys Roberto tem a expectativa de que o presidente escape da denúncia, porque tem maioria de votos na Casa.

Para ele, Temer tem que continuar no governo, pois, se mudar a presidência, o país que já atravessa uma crise muito grande vai ficar ainda pior.

Como as eleições já estão próximas, o parlamentar entende que Temer deve permanecer no cargo, até porque não vê ninguém no Congresso Nacional que não esteja também sendo investigado.

A opinião de Jullys é compartilhada pelo deputado Nabor Wanderley [foto] que também compreende que o país poderia ficar mais prejudicado com a saída de Temer, especialmente sob o ponto de vista econômico

Já o deputado Raniery Paulino diverge dos seus pares e disse que não acredita na inocência do presidente Temer.

Segundo ele, o presidente pisou na bola. Ele defende o prosseguimento de denúncia, como forma de permitir as devidas punições ou ao menos a criação de um espaço para sua defesa.

“Também lamento o fechamento de questão em relação aos parlamentares. Eu defendo a depuração do PMDB e não podemos deixar alguém como Eduardo Cunha sem nenhuma punição e nós que estamos aqui na base temos que nos explicar muito quanto a isso quando lá em cima, os líderes têm esse tipo de postura”, lembrou o peemedebista


Paraibaonline João Pessoa (Hacéldama Borba)