Locais

Ausência de vereadores e do poder público em Audiência Pública para discutir falta de acessibilidade em Patos é criticada. Veja

Outo fato que envergonha, e que você em Patos tem dificuldade em enumerar, são locais adaptados para esse cidadão, que como todos pagam seus impostos

ÓTICAS GUIMARÃES

O ex-administrador público, Euzimar Trindade, enviou um texto com sua análise a respeito de uma audiência pública na Câmara Municipal de Patos, sobre a falta de acessibilidade para pessoas portadoras de deficiência em Patos, fato registrado na quarta-feira, 24 de novembro.

Euzimar observou vários pontos, considerados negativos por parte de alguns para com essa causa tão nobre.

Veja abaixo a sua análise:     

AUDIÊNCIA PÚBLICA E O BRILHO DA PESSOA DEFICIÊNTE.

Na última quarta-feira, fui convidado a participar de uma audiência pública na Câmara Municipal de Patos, sobre a falta de acessibilidade para pessoas portadoras de deficiência, ou porque não dizer em um âmbito mais atualizado à esfera pública “falta de acessibilidade para pessoas portadoras de necessidades especiais”. Uma louvável e admirável proposta apresentada pelo vereador Jose Gonsalves, a quem apresento votos de aplausos pela propositura.

Na magna seção, estavam presentes apenas, dois vereadores a presidente Tide Eduardo, o ilustre proponente Jose Gonsalves, e de forma heroica e remota online a vereadora Fatima Bocão,  aos demais quatorze vereadores, coube a presidente Tide Eduardo, como boa mãe, justificar o injustificável, pela falta de companheirismo ou compromisso ao trabalho, já em os mesmo em uma causa tão nobre, deveriam pelo mesmo justificar suas faltas de forma online, tornando assim mais criativo o fato de uma não participação.

Também de forma vergonhosa, se notou a falta da presença do Prefeito municipal, que fora representado pelo vice Professor Jacob, e de alguns Secretários, que mandaram também representantes pessoas inexpressivas a magnitude do pleito ora exposto e o mais impressionante de um representante as STTRANS que é o órgão responsável pela mobilidade publica, que nem se quer justificou a ausência.

Começando os trabalhos pela presidente, com a presença de muitos participantes, pessoas não só os portadores de necessidades especiais, como também novidades e o público diverso, viu-se um debate acalorado e produtivo para a propositura, sedo esquecido nos fatos as deficiências administrativas que ao longo dos tempos reinam na administração pública do município de Patos.

Vamos aos fatos: A acessibilidade é direito que garante à pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida viver de forma independente e exercer seus direitos de cidadania e de participação social; constituindo um atributo essencial do ambiente que garante a melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Vejam que, o município de Patos, sempre apresentou graves problemas de infra-estrutura para melhorar a segurança e atender às necessidades das pessoas, principalmente as que possuem algum tipo de deficiência física, seja em espaços públicos abertos ou clínicas, escolas e prédios residenciais. A falta de visibilidade às PCD’s é preocupante e é um desafio para a toda a sociedade, a maior parte dessas pessoas precisa da cadeira de rodas para se locomover, Patos uma cidade de mais de cem mil habitantes, vergonhosamente, não possui nem se quer um transporte público digno a sociedade, tornando os cidadãos reféns a taxis improvisados a fazer as linhas urbanas entre bairros, uma “verdadeira vergonha”, até mesmo municípios de magnitudes menores, possuem ônibus adequado a este tipo de transporte, em Patos, por birra política está sociedade e castrada aos seus direitos.

Outo fato que envergonha, e que você em Patos tem dificuldade em enumerar, são locais adaptados para esse cidadão, que como todos pagam seus impostos também, sem nunca se quer reclamar seus direitos, o mais interessante em tudo, e que para esses cidadãos só aparecem dever, veja o estacionamento público de zona azul, além de restritos, os mesmos iram exercer o dever de pagar e de cumprir um ridículo horário estabelecido por uma empresa que cumpre uma legislação, estabelecida por ela mesmo, ignorando direitos e deveres estabelecidos em lei.

Ao mais, deixo aqui meu voto de aplauso a iniciativa, e votos de repudio aos maus vereadores faltosos que nada somam para o povo, e de vergonha a administração pública, que em uma causa tão nobre, fez vista de mercador dará esta sociedade de cidadãos que com garra, honestidade e brilho, ultrapassam suas necessidades, deixam para trás os preconceitos, e vencem a batalha do dia a dia com suas forças e dignidade que Deus as deu.

Elzimar Trindade de Araújo

Ex-Administrador Público.


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo