Após morte de criança, pai acusa secretário de transporte em Emas de negligência



O senhor Erivaldo Albino da Silva de 27 anos de idade, mais conhecido por “compensado”, residente no município de Emas, está acusando o chefe de transporte daquela cidade, senhor Manoel Leite, de negligência ao ter supostamente negado o transporte para socorrer seu filho que acabou falecendo.

Segundo o pai da criança, o transporte foi solicitado por duas vezes. Na primeira para socorrer sua esposa que estava em trabalho de parto, e na segunda para socorrer seu filho, um recém-nascido que acabou falecendo.

Versão da Vítima
Primeiro caso.

De acordo com relato de Erivaldo, na quarta-feira (06), sua esposa, a senhora Jerdilandia Luiz de Andrade Abino de 24 anos de idade, entrou em trabalho de parto na cidade de Emas. Em seguida familiares da mulher procuraram o chefe de transporte da cidade e solicitaram uma ambulância para prestar o devido socorro até a cidade de Patos.

Segundo Erivaldo, o chefe de transporte mandou procurar o motorista que estava e plantão naquele dia, porém ao chegar a casa do mesmo, ele não teria atendido o chamado. Segundo ainda Erivaldo, mesmo após várias tentativas de chamadas, o motorista não teria saído de sua casa. Diante disto, os familiares resolveram levar a mulher em um carro particular, a qual acabou dando a luz a gêmeos no hospital.

Segundo Caso.

O segundo caso, se deu após três dias, quando a mãe e as crianças receberam alta do hospital.

Segundo relato da senhora Geovania Galdino de Andrade, tia das crianças, já em casa, um dos bebês teve problemas de saúde, sendo obrigado a ser socorrido até a cidade de Patos, porém, segundo a mesma, o pai das crianças procurou novamente o chefe de transporte, mas o mesmo teria informado que não tinha ambulâncias disponíveis no momento.

De acordo com os familiares, a criança foi levada passando mal até a cidade de Patos, em um carro particular, e ao chegar próximo a cidade de Santa Terezinha, a mesma veio a falecer. A tia e o pai da criança afirmaram ainda que após receberem a informação que não existiam carros disponíveis, os mesmos foram até a sede da prefeitura municipal e puderam constatar que existiam veículos no pátio.

Versão do Chefe de Transporte
Primeiro caso.

A redação do CatingueiraOnline procurou entrar em contato com o senhor Manoel Leite, Chefe de Transporte do município de Emas, para que ele apresentasse sua versão dos fatos. O mesmo negou que tenha negado o transporte e disse que está para servir a todo o povo de Emas. “Quando vieram atrás do carro pela primeira vez, na quarta-feira, eu mandei procurar o motorista que se encontrava de plantão naquele dia, e se por acaso caso não o encontrassem, viessem me dizer que eu iria procurar outro motorista para ir. Porém como nenhum dos familiares voltaram mais a me procurar, imaginei que o motorista teria ido a viagem. Apenas no outro dia eu soube que o motorista que estava de plantão não teria ido” informou o senhor Manoel.

Segundo Caso

Já na segunda vez que foi procurado pelo senhor Erivaldo Albino, pai da criança, o Chefe de Transporte informou que não tinha carros disponíveis. “Da segunda vez que vieram me procurar, o pai da criança informou que seu filho recém-nascido se encontrava doente e estava precisando de um carro para conduzi-lo até Patos, porém naquele horário, não tinha nenhum veículo disponível para fazer o transporte, pois a ambulância tinha ido até Piancó e o outro carro tinha ido até a cidade de Patos com uma pessoa doente. Eu ainda disse ao pai da criança que ele esperasse um pouco mais, pois o plantonista já estava chegando, e ele poderia ir em seu carro que se encontrava no local, mas o pai não quis esperar” disse o senhor Manoel que ainda fez questão de dizer que está a disposição de qualquer pessoa que precisar e disse que jamais iria negar carro a nenhuma pessoa, “estou aqui para fazer meu trabalho e servir ao povo da minha cidade” finalizou.

CatingueiraOnline