Após abandono, linha férrea se torna “terra de ninguém” e invasões se multiplicam na cidade de Patos



Em 1997, durante o Governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, o Brasil deu continuidade a um dos períodos onde ocorreram as maiores privatizações das empresas estatais, lucrativas e estratégicas para a soberania nacional. Setores siderúrgicos, elétricos, de infraestrutura, bancos, de transformação, dentre outros, foram sendo vendidos ao grande capital econômico e seus consórcios.

Entre as grandes vendas de empresas públicas estratégicas, destaque para a Rede Ferroviária Nacional S.A (REFESA). Vendida em pedaços, porém, após ser usada, explorada, dar lucros fabulosos aos seus compradores, a empresa foi abandonada, não recebeu mais manutenção e virou sucata com milhares de quilômetros de linhas férreas abandonadas e vagões ao relento.

A malha Nordeste com sua estrutura foi vendida por valores contestados por críticos e economistas, mas o Governo Federal ignorou e vendeu para ser pago cerca de 25% a vista e o restante em 30 anos. Um negócio sem precedentes e considerado um presente para os compradores. Em menos de 20 anos, o resultado foi trágico para a nação. As empresas abandonaram e disseram ao governo que podia pegar de volta a REFESA.

O transporte por vagões de trem, com custo inferior aos pagos por transporte terrestre e mais seguro foi deixado de lado. Estações ferroviárias, maquinário, milhares de quilômetros de trilhos, centenas e centenas de terras, casas e instalações foram deixadas ao relento. Diante disso, restou a nostalgia e o descaso, sem nenhuma punição aos compradores ou multas. O prejuízo ficou para a nação.

Agora, às margens das linhas férreas estão sendo invadidas. Em Patos, a REFESA atravessa a cidade em pontos estratégicos e vem tendo suas terras ocupadas de forma notória e sem fiscalização alguma. No Bairro Novo Horizonte, por exemplo, cercas, porteiras e terraplanagem acontecem e os “posseiros” fingem não saber que o local pertence a união, portanto, tem dono.


Patosonline.com





Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Patosonline.com não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.