Gerais

Apesar de dificuldades, a Casa da Misericórdia Padre Ibiapina encerra o ano atendendo 100 famílias

ÓTICAS GUIMARÃES

O ano de 2022 vai chegando ao final e, apesar das dificuldades de manutenção, a Casa da Misericórdia Padre Ibiapina conseguiu atender regularmente 100 famílias cadastradas.

De acordo com o balanço feito pelo diácono Jarbas Morais, que atualmente preside a casa juntamente com sua esposa Soraya, foi graças à generosidade dos comerciantes e das pessoas de Santa Luzia, além de instituições como o poder Judiciário, que foi possível realizar a entrega de cestas básicas e atendimento presencial na casa ao longo de 2022.
A casa foi inaugurada em 2017, como um gesto concreto do ano extraordinário da misericórdia convocado pelo papa Francisco. Desde então, a Paróquia, com a doação de parceiros, consegue manter os serviços de alimentação, entrega de cestas básicas e cursos de capacitação.

Segundo Jarbas Morais, o setor social da Paróquia continuará, em 2023, com este projeto sempre contando com a contribuição solidária de todos os que quiserem ajudar seja com doações, seja como voluntários. De acordo com o diácono, a perspectiva para o próximo ano é trabalhar com a geração de renda para essas famílias de maneira que elas conquistem sua autonomia. Para isso, a Paróquia estuda quais tipos de formação e quais parceiros poderiam dar sustentabilidade a esta linha de atuação.

Além disso, ofecerá apoio e informação para a inclusão das pessoas nas políticas públicas de assistência social como previdência, centros de assistência social entre outros.

A Paróquia Santa Luzia tem uma atuação no pilar da caridade muito forte que é constituida por uma rede de pastorais e serviços que atuam em diversos segmentos como a Pastoral da Criança, Pastoral Carcerária, Pastoral da Pessoa Idosa, Casa da Misericórdia, Projeto Mutirão da Casa Digna, além do apoio do PROPAC e do CERSA (Comitê de Energias Renováveis do Semiárido), através do projeto Cuidando da Casa Comum.

Por Paróquia Santa Luzia


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo