Água Branca realiza audiência pública para discutir segurança



O comandante da 4ª Companhia do 3º Batalhão, capitão PM Jurandy Pereira Monteiro, participou na tarde da última segunda-feira (10), de uma audiência pública realizada no auditório Salão Paroquial de Água Branca-PB, que teve como objetivo discutir segurança pública com os moradores, políticos e representantes de associações, visando buscar soluções para o problema da criminalidade.

A audiência foi presidida pelo Sr. Tarcísio Firmino, representante da Prefeitura e da Rádio Comunitária Água Branca FM, e fez parte da mesa o prefeito de Água Branca HÉRCULES SIDNEI FIRMINO.

O encontro teve também a presença do presidente da Câmara, vereador Reginaldo Chaves Correia, além do Padre da Paróquia local, Édson, e diversas pessoas da comunidade, bem como de representantes do Povoado de Lagoinha.

Além do Capitão Jurandy, foi ouvido o prefeito Siduca, e outras autoridades, bem como várias pessoas da comunidade.

Maior agilidade por parte da Polícia na elucidação dos crimes e prisão dos acusados, criação de um posto policial no Povoado de Lagoinha, restrição do horário de funcionamento dos bares e repressão no uso abusivo de som em carros, coibição aos motoqueiros que vivem fazendo baderna nas noites e aquisição de uma viatura para ajudar no policiamento, foram as reivindicações dos moradores, que além dos discursos, entregaram várias cartas pedindo providências.

O Padre Édson em seu discurso destacou a postura do comandante em dialogar com a sociedade e pediu maior empenho no combate ao som abusivo de carros que algumas vezes atrapalham até a missa.

A população presente se queixou também, e principalmente, da falta de delegado ou de um representante da Polícia Civil na cidade. Pois muitas vezes, recorrem a PM para registrar ocorrências, porém, por se tratar de assuntos que não estão em estado de flagrância, são orientados a procurarem a Delegacia, porém, na maioria das vezes, não existe nem Delegado, nem agente na cidade.

O capitão Jurandy prometeu que, no que concerne a Polícia Militar, as reinvidicações serão atendidas o mais breve possível. Explicou, porém, que nem tudo que se refere a Segurança Pública é de competência da PM. No entanto, irá levar o caso aos representantes locais da Polícia Civil, Ministério Público e da Justiça, para a adoção das medidas cabíveis.

Texto produzido pela equipe do 3º BPM