15 prefeituras da região são processadas pelo Banco Matone. Confira a lista



Cerca de 25 prefeituras e câmaras municipais da Paraíba estão sendo processados pelo Banco Matone, do Rio Grande do Sul, que cobram na justiça uma dívida que chega depois por terem fechados empréstimos consignados em nome deles próprios e de servidores municipais.

Segundo as denúncias, vários prefeitos não estariam cumprindo os devidos repasses à instituição, conforme ficou acordado. Pelo menos 25 ações já tramitam no Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba e quase 40 estão em grau de primeira instância.

Confira a lista

MUNICIPIO DE BOA VENTURA – 02120070006438 –  Valor da Ação: R$ 6.904,83

MUNICIPIO DE SERRA GRANDE – 02120080003698 – Valor Ação: R$ 6.904,83

MUNICIPIO DE SOUSA – 03720070045119 – Valor ação R$ 32.672,359 -SALOMAO BENEVIDES GADELHA

CAMARA MUNICIPAL DE BOM SUCESSO – 01420070015343 – R$ 205,60

MUNICIPIO SANTA LUZIA PB – 03220080003810 – R$ 15.657,06 – ANTONIO IVO

MUNICIPIO SANTA LUZIA PB – 03220070006757 – R$ 15.657,06

MUNICIPIO DE CATINGUEIRA – 02620070010124 – R$ 55.166,602

MUNICIPIO DE CONCEICAO – 01520070006430 – R$ 17.901,131

MUNICIPIO DE OLHO DAGUA – 02620080003796 – R$ 33.820,73

MUNICIPIO DE NOVA PALMEIRA – 02720070007318 – R$ 47.393,109

MUNICIPIO DE FREI MARTINHO – 02720080003406 – R$ 18.879,301

MUNICIPIO DE COREMAS – 05620080003819 – R$ 66.614,438

MUNICIPIO DE PITIMBU – 00220070006727 – R$ 8.614,80 – HERCULES ANTONIO PESSOA RIBEIRO

MUNICIPIO SAO BENTO e CAMARA MUNICIPAL DE SAO BENTO – 20080003523 – R$ 13.159,65 – PEDRO EULAMPIO DA SILVA FILHO

MUNICIPIO DE MALTA – 05320080003394 – R$ 7.635,16 – AJACIO GOMES WANDERLEY

MUNICIPIO DE TAPEROA – 00920080003453 – R$: 17.355,48 – DEOCLECIO MOURA FILHO

MUNICIPIO DE LIVRAMENTO – 00920080003529 – R$ 29.733,211

MUNICIPIO IMACULADA – 09420080003513 – R$ 7.403,17 – JOSE RIBAMAR DA SILVA

MUNICIPIO DE PASSAGEM – 02520070049876 –  R$ 8.367,30 – AGAMENON BALDUINO DA NOBREGA

MUNICIPIO DE CACIMBA DE AREIA – 02520070057630 – 

MUNICIPIO E CAMARA MUNICIPAL DE GURINHEM – 07620070003710 – 23.783,939 – CLAUDINO CESAR FREIRE e TARCISIO SAVIO DE PAIVA

MUNICIPIO DE SANTANA DE MANGUEIRA – 01520080003682 – R$ 37.306,262 FRANCISCO HUMBERTO PEREIRA

MUNICIPIO DE OLHO DAGUA – 02620080014264 – R$ 1.000,00 – JULIO LOPES CAVALCANTI

MUNICIPIO DE BOA VENTURA – 02120080010099 – R$ 6.904,83

De origem gaúcha, Banco Matone tem 40 anos de história

O Banco Matone foi fundado pelo empresário José Matone, em 1967. Marcou ponto como a primeira distribuidora de valores a obter autorização do Banco Central do Brasil para operar no Rio Grande do Sul – a Divalores. No ano seguinte, o empresário investiu na criação da Divalvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, que, em 3 de julho de 1989, veio a se tornar Banco Matone.

Segundo o site da instituição, o banco exerce, na prática, a missão de oferecer aos clientes, sejam eles investidores ou tomadores de crédito, apoio e orientação financeira baseados nos princípios de ética, de transparência, de respeito, de solidariedade e de valorização humana.

Ao longo de sua história, o grupo estruturou-se como banco múltiplo. Lançou, em 1997, o Credimatone – primeiro crédito pessoal feito por telefone e vendido em 2004. Nesta mesma época, a empresa iniciou a operação de crédito consignado em parceria com uma rede de correspondentes.

Em 2007, com o Plano A, o Banco Matone voltou a oferecer um novo grande produto – o crédito imobiliário, já que seu modelo estabelece um processo altamente ágil, seguro e diferenciado.

PB Agora