comentários  
  

04 de março de 2011, 07:27

Trabalho infantil: crianças são exploradas na cidade de Patos


A cidade de Patos não está distante da realidade da exploração do trabalho de crianças. Muitos meninos e meninas vivem prestando serviços dos mais diversos, na maioria sendo babás de outras crianças ou em serviços domésticos variados. Alguns casos mais graves, como a exploração sexualmente que foi destaque em tempos anteriores na mídia nacional, nos envergonham mais ainda.

Existem os que dizem, nesse caso os mais ignorantes: “O trabalho deve começar logo cedo. Isso forma o homem de bem”. Mas, a orientação de especialistas é que lugar de criança é na escola, brincando, com a família, ou seja, sendo criança mesmo.

O trabalho com uso de mão de obra infantil é crime previsto em lei. O grande problema é que as leis em nosso país estão longe de serem cumpridas, principalmente quando se trata de filhos de pobres explorados e sem a assistência social adequada.

De acordo com o Jornal A Verdade: “A pobreza e o baixo rendimento das famílias brasileiras impõem a milhões de crianças e adolescentes, em todas as regiões do país, o ingresso mais cedo no mercado de trabalho na tentativa de complementar a renda familiar. Recebendo salários menores e sem acesso aos direitos trabalhistas, o trabalho dessas crianças e adolescentes é mais uma forma de aumentar os lucros das empresas e de enriquecer os capitalistas. Por conta do trabalho, esses jovens ficam cada vez mais longe do acesso à educação ou de uma formação profissional e ao atingirem a maioridade permanecem como alvo fácil dos baixos salários e do subemprego.

De acordo com dados do IBGE, na Pesquisa Nacional de Amostragem por Domicílio - PNAD, no Brasil 10% da população de 5 a 17 anos trabalham, isso dá um total de 4,5 milhões de brasileiros”.

Na cidade de Patos crianças são usadas para vender CD’s e DVD’s piratas. Com carrinhos adaptados para o seu tamanho os meninos passam várias horas vendendo essas mercadorias sob um sol causticante. Em alguns casos eles levam um coleguinha para acompanhar no “trabalho” (foto). Esse fato já tem virado corriqueiro e é necessário que as autoridades tomem alguma providência, seja encaminhando para programas de combate a exploração infantil ou mesmo outra atitude.

 

 

Jozivan Antero – patosonline.com

 


Publicidade
Publicidade

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSONLINE.COM, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSONLINE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.


raylanne

raylanne

02 de junho

as criaças nao podem seresporada

alfredo fernandes de oliveira - Teixeirense, RJ

alfredo fernandes de oliveira - Teixeirense, RJ

08 de março

Me associo a vc, Josivan, se a gente olhar em volta não é somente em Patos, em Maturéia, em Teixeira, e demais cidades da região, o problema é o mesmo; crianças que têm pai e mãe mas vivem na rua, são portanto "crianças na rua" enquanto existem as que não tendo pai nem mãe também vivem na rua, são portanto "crianças de rua". E o que se deve fazer? acho que todos; autoridades, orgãos governamentais, sociedade organizada, entidades afins. Se todos se unirem e agirem algo vai acontecer e a diminuição de crianças "na rua" será visível. vamos em frente. anraços Alfredo.

Vergoha de Ser Brasileiro

Vergoha de Ser Brasileiro

05 de março

Não é a toa que o Brasil é conhecido como o pais dos vagabundos.
Pq os politicos preferem q os jovens fiquem sujeitos a eles em programas socias que incentivam a preguiça e geram votos.
Nos Estados Unidos os pais colocam os jovens pra trabalhar quando querem consseguir algo.
E não cola essa historia de que eles não vão a escola pq tão cansados, tavlez seja pq não aguentam ir pra escola e sentar no chão, aguentar professora chata, não ter material, não ter fardamento, ter que conviver com a bandidagem dentro e fora da escola e se alimentar com uma mereda que nem os porcos comeriam.
Enquanto os Governantes não pararem de nos tratar como mais um voto, as coisas não mudarão.

alfredo fernandes de oliveira - Teixeirense - RJ

alfredo fernandes de oliveira - Teixeirense - RJ

05 de março

Essa preocupação nossa sôbre o trabalho de crianças tem um pouco de hipocrisia. Eu já comentei esse mesmo assunto no SJE.com e lá eu disse que a gente muitas das vezes não sabe o que quer; se as crianças estão na rua cometendo todo tipo de delito e desvio de conduta nós reclamamos das autoridades; se as crianças arranjam uma ocupação nós reclamamos que estão sendo exploradas; o que queremos então? não vi ninguém dizer que os pais é que são culpados, e são; se houvesse uma criação que nós tivemos; se as crianças fossem para a erscola e no tempo vago (de casa) tivessem ocupação vigiada pelos pais, a delinquência diminuia. Portanto vamos cobrar dos pais e das autoridades enquanto acompanhamos as crianças em suas ocupações. E finalizo com a feliz letra do Pe Zezinho: "Menores abandonados, alguém os abandonou, pequenos e mal amados, o progresso não os adotou". tenho dito. Alfredo

Messias Moraes

Messias Moraes

05 de março

Não acredito que mesmo depois de tanta informação ainda existem pessoas que apoiam o trab alho infantil com o pretexto de que: "Melhor trabalharem do que fazerem besteira."

Oqe leva crianças a entrar na criminalidade nao eh a falta de um trabalho pra elas, e sim a falta de uma estrutura familiar e de acesso a educaçao de qualidade.

Esses que estao comentando a favor das crianças trabalharem da forma exibida pela reportagem, eh simples, colequem entao seus filhos pra vender cd! (:

cida

cida

05 de março

Eu fico feliz em ver crianças procurando fazer alguma coisa para receber uns trocado, é bem melhor do está fazendo o que não presta.Assim eles vão saber dar valor a escola e a família.

Jozivan Antero

Jozivan Antero

04 de março

O bom daqui é poder interagir com a notícia e os internautas.
O trabalho de crianças tem limites, mas nesse caso eles são extrapolados. Vi essas crianças as 08:30 vindas do Jatobá. Uma delas estava ofegante e suada pela caminhada empurrando o carrinho. Perguntei a que horas elas voltavam pra casa, uma delas respondeu: "Lá pro meio dia".
Tudo bem, elas vão para escola se tiverem forças para isso. Eu mesmo sei o que adultos tem enfrentado com o sol escaldante dessa cidade.
Quanto paga a essas crianças? Não importa. Cabe ao estado hipócrita que vivemos garantir bem estar delas.
Esse papo de "trabalhei desde cedo e virei gente" acontece em alguns casos e não permite generalidades.
Lembro-me de estupradores que pagam por sexo com crianças quando dizem "foram elas que quiseram". Eu pergunto: Que outra saída elas tinham?
Essas crianças devem contribuir em suas humildes casas, então dá no mesmo: Que outra saída elas tem na sociedade hipócrita que vivemos?
Quero mudanças!

Leitor

Leitor

04 de março

Eu fico triste quando vejo crianças trabalhando para ajudar no sustento da família. Mas quando não existe outra oportunidade para elas, dependendo do trabalho, eu vejo como saída, desde que elas continuem frequentando a escola, pois também trabalhei quando era criança e não vi nenhum problema nisso. Hoje sou graduado e empregado público.

Sargento  Santana da Silva

Sargento Santana da Silva

04 de março

É que começe desde cedo , só assim vai dar mais ter responsabilidade bem mais cedo , mas é bom tbém ñ esquecer de estudar, trabalhar na horas vagas é bom , só assim ñ ficam na rua atrás de drogas.

Paloma

Paloma

04 de março

Esse jovens que trabalham hoje, com toda certeza serão os empresário do amanhã.

Vagabundando é que não dar certo para eles.

Alma oculpada não é atentada.